Projetos

Gerenciamento de Projetos

Dica de Jardim. Como Escolher Seu Aparador de grama


Fonte: Blog Bandai

Se você possui sua própria casa, você vai precisar comprar um cortador de grama em algum momento. Ou seja, a menos que você tenha a sorte de ter um jardineiro, ou tenha dedicado toda a sua área para criar um jardim Zen perfeito. Escolher qual cortador de grama comprar pode ser um desafio empolgante ou uma tarefa desconcertante. Não importa como você veja essa tarefa, existem vários fatores importantes a ter em consideração antes de fazer a compra.

Carretel ou giratório?

O manual de carretel fará seus vizinhos felizes, pois geralmente não tem motor, por isso eles são muito silenciosos e não poluentes. Eles consistem em uma lâmina fixa que corre paralela ao chão e um cilindro rotativo com várias lâminas em anexo. Quando o cilindro gira, as lâminas de corte entram em interseção com a lâmina fixa, e a grama é cortada. Os manuais de carretel têm a vantagem de serem silenciosos e ecológicos. Eles são baratos, quase livres de manutenção e proporcionam um corte maior na lâmina. A desvantagem, naturalmente, é que é duro o trabalho de cortar com um cortador de carretel. Eles estão disponíveis com motor, mas são muito caros, por isso a menos que você corte uma grande área verde, eles provavelmente não valerão o custo.

timthumb.php

Elétrico, a gasolina ou movido a bateria?

Se você está preocupado com o meio ambiente e tem um gramado pequeno, os cortadores elétricos ou movidos a bateria são o melhor caminho a seguir. Os cortadores elétricos são alimentados por uma tomada padrão. Você vai precisar de um fio de extensão muito longa, para serviços pesados. Por esta razão, cortadores elétricos não são práticos para médios ou grandes gramados. Outra desvantagem é a dificuldade de cortar com um fio no caminho. A segurança também pode ser uma preocupação — passar sobre o cabo de alimentação é muito perigoso.

Cortadores de bateria, tal como o nome sugere, são alimentados por uma bateria de grande porte, que fica situada em cima da plataforma da segadeira. A principal desvantagem deste tipo é o fato de que a maioria das baterias dura apenas uma hora com uma carga completa. Se seu gramado leva mais de uma hora para cortar, você precisará comprar uma bateria sobressalente. Ambos os cortadores elétricos e movidos a bateria são menos caros do que a maioria dos cortadores a gasolina.
Cortadores a gasolina são a opção mais comum para a casa própria – você os reconhece pelo barulho alto ecoando pelo bairro. Embora mais barulhentos, eles são mais rápidos e podem ser mais fáceis de usar. Os modelos mais fáceis de usar são os cortadores a gasolina automotrizes — tudo que você precisa fazer é orientar a máquina. Cortadores com motor a gasolina vêm em duas variedades — dois tempos e quatro tempos. Os motores de quatro tempos não poluem tanto quanto os motores de dois tempos, e não necessitam que o combustível seja misturado antes de ser colocado no tanque.

Coletor ou de descarga?

Se você fez a opção por um cortador rotativo, você precisa decidir se prefere coletor ou de descarga. Um cortador com um saco acessório, coleta a grama cortada. Você pode então adicioná-la à sua compostagem, ou jogá-la no lixo. Um cortador de descarga corta cada folha de grama por diversas vezes, e transforma os restos em uma cobertura muito fina que pode ser deixada no gramado sem danificá-lo. Estes cortadores são mais rápidos, porque você não precisa parar a cada ciclo e esvaziar o saco. No entanto, eles são mais caros do que os coletores. Aliás, deixar os pedaços de grama sobre o seu gramado não causa colchão – apenas evita a luz solar de alcançar a grama que está coberta por eles.

Cavalos de força.

Ah, sim — a verdadeira razão para comprar um cortador de grama — tanta força quanto você possa precisar, e provavelmente muito mais! No entanto, não se deixe seduzir pelo cortador com o motor mais potente. Você só vai pagar mais por um recurso que você nunca vai usar. Em geral, se o gramado é bastante nivelado, e a grama não é muito densa, você pode conviver com um cortador de grama cuja potência esteja na extremidade inferior do espectro. Se você tem área acidentada, e de grama grossa, você pode querer um pouco mais de força.

Deck.

O deck é o corpo da máquina, é em cima dele que a bateria ou o motor se assenta. O aço é o material mais durável, mas os de alumínio e de plástico são mais leves e menos dispendiosos.

De Montar ou empurrar?

Se você tem um gramado de mais do que um acre de tamanho, ou você tem limitações físicas, você pode querer comprar um cortador de montar. Eles têm uma lâmina rotativa debaixo de uma plataforma, situada abaixo do centro da máquina. O cortador de montar vai custar muito mais do que um cortador de empurrar, mas o tempo que você vai economizar pode valer a pena, e o preço.

Preço, Suporte e Garantia

Você não precisa comprar os cortadores de grama mais caros do mercado, em razão do nome ou marca. Também não é recomendável comprar equipamentos muito baratos, importados da china ou similares, sem suporte ou garantia no Brasil. Existem excelentes máquinas, com excelentes preços, garantia e frete grátis no Brasil.

Sugestões:

Uma das marcas com melhor custo/benefício que existem  é a Poulan Pro. Se você quer a melhor correlação custo/benefício no Brasil, sugerimos os produtos da Bandai (cujo conjunto: suporte nacional, preço e garantias são imbatíveis). As Promoções de Vendas que antecedem o final do ano são ideais para os melhores negócios. Existem ainda outras excelentes marcas que podem ser utilizadas para manter seu jardim da melhor forma possível, como os da Husqvarna, Stihl ou Tekna. Você pode pesquisar por estas marcas na internet ou acessar os melhores preços nestas lojas: HSFloresta e Jardim, BSSMáquinas

Anúncios

outubro 7, 2015 Posted by | Dicas, faça-você-mesmo, jardinagem | , , | Deixe um comentário

Saiba como manter um jardim saudável com dicas práticas de adubação


fonte: América Blog

As opções para fertilizar a terra são variadas, de restos de alimentos submetidos a um processo de compostagem a minerais concentrados. O importante é saber como, quanto e quando usar

Manter um jardim em casa é uma atividade prazerosa, mas que pode se tornar frustrante se alguns cuidados não forem tomados, ainda mais quando o assunto é adubação. Por isso reunimos dicas de quatro especialistas sobre compostagem, fertilizantes e cuidados para fazer suas plantas crescerem fortes e saudáveis e ficarem bonitas o ano todo. Veja abaixo:

– A compostagem é um método já conhecido e fácil de fazer em casa com a transformação de restos de alimentos em adubo natural. Cascas de frutas, legumes e verduras, coadores de café, saquinhos de chá, casca de batata, são exemplos de alimentos que podem ser utilizados para sua produção. Esses adubos naturais são excelentes repositores de nutrientes e sais minerais para as plantas, vasos e jardins

– Se usar fertilizantes foliares, aqueles diluídos em água e borrifados nas folhas, nunca os aplique em plantas que recebem sol diretamente; deixe para aplicar o produto no fim da tarde (a partir das 16h) ou passe o vaso para um local sombreado por dois a três dias. Assim, os sais serão absorvidos pelas folhas junto com a água, caso contrário, o sol evapora e a água concentra os sais nas folhas, provocando queimaduras, desidratação, ou manchas nas folhas;

– Dê preferência sempre a fertilizantes orgânicos, tais como: pó de serra, lodo de cervejaria, terra infusória, aparas de grama, carvão, biofortificação e dejetos de cavalos já curtidos (para não haver queima do colo da planta em decorrência de sua fermentação);

– Se você nunca usou fertilizantes minerais concentrados (NPK), dê preferência àqueles com baixa solubilidade em água, tais como: Fosfato Natural de Araxá, Torta de Mamona, Hiperfosfato de Gafsa (fonte de fósforo e micronutrientes) e o Sulfato de Potássio. Caso ocorra uma superdosagem, os danos causados por esses produtos são menores, visto que sua solubilidade é menor e a liberação dos sais é mais lenta. Lembrando que o nitrogênio (N) é importante para o crescimento das folhas, o fósforo (P) para o enraizamento e o potássio (K) para o florescimento/frutificação;

– Excrementos de pássaros e cascas de maçãs são bons para plantas que não querem florescer. Para isso, coloque vários pedaços ao redor da terra e cubra o vaso com plástico durante quatro semanas;

– Adube com fertilizantes minerais quando as plantas já estão estabelecidas. Antes disso é mais recomendado usar esterco de gado ou de galinha, ou ainda húmus de minhoca;

– Utilize terra vegetal (rica em material orgânico) misturada com a terra do jardim quando iniciar o plantio, e adube com 20 a 30 cm de profundidade;

– Adube mensalmente, mas evite as temperaturas mais frias, como o período de maio a julho, especialmente pouco antes e depois da floração. Se a planta é adubada nesse período, pode perder os botões florais. Uma vez que tenham aparecido os frutos, o processo pode recomeçar.

Dicas rápidas e curiosas

  • Na hora de plantar, misture terra vegetal com a do jardim e adube com 20 a 30 cm de profundidade

– Folhas de chá que ficam no fundo da chaleira podem ser borrifadas em plantas de vaso, fornecendo doses de oligoelementos (microminerais);

– Pregos, parafusos e outros artefatos ferrosos, quando colocados na terra, liberam óxido de ferro, que é de grande utilidade para as plantas;

– Casca de ovo é ótimo para orquídeas. Basta colocá-las em uma garrafa, acrescentar água e regar a planta com a mistura;

– Água de aquário ou de jarras que contiveram flores e cinzas de lareiras são ricas em potássio e fósforo;

– Tabaco é um dos melhores adubos para roseiras. Deixe na água por oito dias, coe e regue a planta;

– Farinha de osso é bom para plantas em época da floração;

– Pequenas quantidades de vinho favorecem o crescimento das plantas.


Fontes: 
Gigi Botelho (Paisagista), Murilo Cesar Starke da Cunha (Mestre em Adubação de Culturas pela UNESP de Ilha Solteira), Rafaela Antunes (Arquiteta da RMA Arquitetura & Interiores), Rhuanito Soranz Ferrarezi (Engenheiro Agrônomo)

novembro 11, 2011 Posted by | Dicas | , , | Deixe um comentário