Projetos

Gerenciamento de Projetos

CMN aprimora papel das cooperativas de crédito


fonte: parana-online

Redação O Estado do Paraná [01/03/2007]

Brasília (AE) – O Conselho Monetário Nacional (CMN) aprovou ontem resolução que aprimora o papel das cooperativas centrais de crédito e aumenta a capacidade de prestação de serviços do setor. A resolução contempla diversas medidas. Uma delas prevê a ampliação do limite populacional da área de atuação das co-operativas de “livre admissão” (que não são segmentadas) de 750 mil para 2 milhões de habitantes. Segundo o Banco Central (BC), isso permitirá a ampliação dos serviços prestados por co-operativas que já estão consolidadas em diversas regiões do País.

Para esta faixa, de 750 mil a 2 milhões de habitantes, o patrimônio de referência mínimo exigido para cooperativas de livre admissão será de R$ 6 milhões. Na faixa que vigorava anteriormente, de área de atuação de 300 mil a 750 mil habitantes, o patrimônio de referência foi unificado em R$ 3 milhões. Essas exigências de patrimônio de referência correspondem à metade nas regiões Norte, Nordeste e Centro-Oeste.

O CMN também abriu a possibilidade de as cooperativas segmentadas terem entre seus sócios profissionais liberais, por exemplo, e empresários. Segundo o diretor de Normas do BC, Alexandre Tombini, a norma anterior já permitia combinações entre profissionais de diferentes áreas dentro de uma mesma cooperativa, mas não permitia a inclusão de empresários ou microempresários.

Também passou a ser permitido que as cooperativas de crédito invistam em empresas ou em outras cooperativas de outros ramos de atividade, sem a restrição de que os financiados prestem serviços exclusivos aos setor da cooperativa de crédito. Agora, com a nova resolução, basta que esses financiados prestem serviços principalmente ao setor da cooperativa de crédito em questão.

O CMN também retirou das cooperativas centrais a atribuição de elas próprias fazerem auditoria nos balanços de suas filiadas. A resolução permite que essa auditoria seja feita por uma empresa constituída para esse fim pelas próprias centrais de crédito ou por uma auditoria independente. Conforme Tombini, essa medida aumentará a governança das cooperativas, por dar mais independência à auditoria. Segundo ele, essa mudança pode ser um passo para a futura criação de um fundo garantidor para cooperativas.

março 1, 2007 Posted by | Notícias | 2 Comentários

FGV vai integrar grupo que estuda educação


fonte: parana-online

Rosângela Oliveira [01/03/2007]

O superintendente do Instituto Superior de Administração e Economia da Fundação Getúlio Vargas (Isae/FGV), Norman de Paula Arruda Filho, foi um dos dois brasileiros a ser convidado para integrar um grupo de 50 pessoas, de diversas partes do mundo, para participar de uma força-tarefa da Organização das Nações Unidas (ONU) que irá estabelecer princípios para uma educação empresarial responsável. O trabalho será desenvolvido nos mesmos moldes do Global Compact – ou pacto global – , programa proposto pela ONU e que prevê o desenvolvimento de ações para uma economia globalizada, mas com gestões ambientalmente sustentáveis e que ajudem diminuir as diferenças sociais.

Segundo Arruda Filho, o pacto global foi criado em 2000 por iniciativa do ex-secretário geral da ONU, Kofi Annan, que queria aproveitar o efeito da globalização na economia a fim de desenvolver ações que contribuíssem para diminuir as diferenças sociais e democratizassem o acesso a novas oportunidades. “Em 2001 o Brasil se destacou como um dos países que apresentou maior índice de respostas a esse desafio”, falou Arruda. Agora, segundo ele, a ONU quer atingir um processo de mudança através da educação, principalmente das escolas de negócios.

Para esse trabalho o superintende disse que já foram feitos contatos com cerca de 50 escolas de negócios do mundo. Aqui no Brasil várias instituições de ensino superior também foram convidadas a participar e apresentar seus trabalhos. “O desafio da ONU é tirar os trabalhos e iniciativas que ficam dentro das escolas e socializar isso para servir de exemplo para outras instituições”, disse. A apresentação final dos trabalhos para uma educação empresarial responsável acontece no mês de julho em Genebra, na Suíça. Quem quiser saber mais sobre o Global Compact pode acessar o site http://www.fgvpr.br.

março 1, 2007 Posted by | Notícias | Deixe um comentário