Projetos

Gerenciamento de Projetos

Incubator 2.0: A Silicon Valley Success Story


Font: fbfund Blog


A Silicon Valley Success Story (and a plug for StartupVisa.com)

Now that the fbFund REV social incubator program has wrapped up, i thought i’d post some slides from a talk i’ve been doing recently. The talk is about our experience at fbFund REV, and about incubator programs in general, as well as some lessons learned from what worked (& what didn’t).
We were very fortunate to have people speak at fbFund REV who’ve been involved in other successful incubators Paul Graham and Jessica Livingston ofY Combinator, and Brad Feld who works with David Cohen at TechStars. Along with our other mentors, i’d like to thank them personally for their leadership & guidance in helping us come up with best practices for REV that i believe led to our greater success. And best of luck to both YC & TechStars companies as well as fbFund REV!

At the end of the presentation i’ve also included some info on StartupVisa.com, and how important i think immigration is to the success of silicon valley (and the US, and the entire world). We had several fbFund companies with people from outside the US, including the “Greek geeks” atGameyola, folks from Kenya at Samasource, South Koreans at Funji, an Iraqi at Networked Blogs, and the Swiss/New Zealander team at WildFireApp. We also had invited a company called Cmune in Beijing to join our fbFund program, but unfortunately they weren’t able to attend. (i’m sure i’m forgetting several more too!)

Techcrunch Trends recently did a post about how startups are correlated with [legal] immigration, and i recently had the opportunity to spend time on our GeeksOnaPlane tour with Eric Diep, a young entrepreneur from Toronto who was the creator of the original Quizzes Facebook app. Eric is a Canadian citizen who’s faced a number of challenges in trying to get a visa to come to the US to run his startup business. At the end of the slides i appended a video interview of Eric Diep and Eric Ries, another successful tech entrepreneur. I believe they both make a compelling case for improving US policy on entrepreneur immigration, and i hope you’ll support our efforts by tweeting your support at 2Gov.org/visa.

With no further ado, here’s the presentation:



julho 31, 2011 Posted by | Dicas, Dinheiro, Financiamento, Investimento, Vídeo | Deixe um comentário

Qual a diferença entre investidor anjo, seed e venture capital? Qual a diferença entre investidor anjo, seed e venture capital?


Tungado doblog da BZPLan
Fonte: Revista Exame

Existem diversos estágios de venture capital – ou capital de risco – disponíveis para startups (empresas nascentes com alto grau de inovação e grande potencial de crescimento) brasileiras. Conheça os principais e avalie qual é mais adequado para o seu negócio. Respondido por Yuri Gitahy, especialista em startups à Revista Exame.

1) Angel money: os investidores-anjo procuram empresas nascentes, algumas até mesmo no campo das ideias. Eles normalmente investem entre R$ 50 mil até R$ 500 mil em startups próximas – de parentes, amigos, conhecidos ou na sua cidade – e tentam vender sua parte para investidores maiores.

2) Seed capital: é a primeira camada de investimento acima do investidor anjo, indo normalmente de R$ 500 mil a R$ 2 milhões no Brasil. Normalmente, para diluir seu risco e diversificar sua carteira, os investidores de capital semente montam fundos que captam de vários investidores, e assim conseguem aportar capital em mais empresas e maximizarem suas chances de acertarem em cheio. As empresas que eles procuram já possuem clientes, produtos definidos, mas ainda dependem de investimento para expandirem o consumo e se estabelecerem no mercado.

3) Venture capital: o termo VC vem dessa camada, e é normalmente usado para descrever todas as classes de investidores de risco. Mesmo assim, os fundos de venture capital brasileiros investem entre R$ 2 milhões e R$ 10 milhões em empresas que já faturam alguns milhões. Seu objetivo é ajudá-las a crescer e fazer uma grande operação de venda, fusão ou abertura de capital no futuro.

4) Private equity: fundos de private equity são responsáveis pelas operações de fusões e vendas em grandes empresas, que normalmente faturam mais que R$ 100 milhões anualmente. Nesse estágio, os investimentos envolvem quantias bem maiores que os R$ 10 milhões do VC, e por isso os investidores costumam trabalhar com empresas de capital aberto ou prestes a abrirem seu capital.

Quando um investidor se refere a uma startup “early stage”, ela provavelmente não tem um produto com receita e precisa de capital semente ou de anjos. Quando se fala “growth stage”, trata-se de uma empresa que já tem alguns milhões em receita mas precisa de capital para alavancar seu crescimento – ou seja, ela provavelmente irá procurar um venture capital.Se você está montando uma startup agora e pensa em abordar um investidor, lembre-se de focar em angels e nos fundos que trabalham com seed money. Essa informação está sempre presente no site do investidor ou mesmo nas notícias disponíveis sobre ele. Faça uma pesquisa bem feita.

Fonte: Revista Exame

Nota do Editor: Existem ainda sistemas de investimento colaborativo (CrowdFunding), que podem vir a ser uma excelente alternativa para uma grande variedade de projetos. Vale a pena dar uma olhada em http://www.ikelmart.com


junho 13, 2011 Posted by | Dicas, Dinheiro, Financiamento, Investimento, Projetos | Deixe um comentário

Inscrições para o Prêmio Inovar vão até 13/11


fonte: FINEP
<!–

–>

 
Na segunda-feira (28/9) foi lançado, em São Paulo, o Prêmio Inovar, mais uma ação de estímulo à promoção da excelência na gestão de fundos de venture capital capitaneada pela FINEP. As inscrições estarão abertas até o dia 13 de novembro. “Reconhecer que o capital de risco é, hoje, uma realidade em franca ascensão e premiar os protagonistas desse processo são os nossos desafios”, disse Patricia Freitas, superintendente da Área de Investimentos da FINEP, na abertura do evento.

Estiveram presentes o diretor de Inovação da FINEP, Eduardo Costa, e representantes de instituições parceiras do Prêmio, como o presidente da Associação Brasileira de Private Equity e Venture Capital (ABVCAP), Luiz Eugênio Figueiredo, o especialista Setorial do Fundo Multilateral de Investimentos do Banco Interamericano de Desenvolvimento (BID/FUMIN), Luciano Schweizer, e o diretor Adjunto da Unidade de Projetos Editorais do jornal Valor Econômico, Carlos Raices. O Prêmio conta, ainda, com o apoio institucional dos Investidores Parceiros Inovar e da revista Valor Financeiro.
São três as categorias: Governança, Equipe e Operação. Estão aptas a participar empresas gestoras de fundos, constituídos, no mínimo, há dois anos, segundo as instruções CVM 209 ou 391, e que sejam não-proprietários e não-exclusivos, ou seja, fundos que não possuam mais de 50% das cotas pertencentes a um único investidor, e que tenham em seu regulamento a obrigatoriedade de investir em mais de uma empresa. Os interessados devem responder a um formulário, disponível no seguinte endereço: http://www.finep.gov.br/premioinovar. As respostas deverão ser enviadas em um único arquivo no formato pdf para o e-mail premioinovar@finep.gov.br,  respeitando o limite de três megabytes por arquivo. 

As firmas gestoras poderão realizar mais de uma inscrição nas categorias Governança e Equipe para diferentes fundos em atividade, e na categoria Operação para diferentes operações de investimento e desinvestimento em uma empresa, realizadas por um mesmo fundo ou por fundos diversos. Em todos os casos, existe a necessidade de envio de arquivos individuais para cada inscrição. Em todos os casos, existe a necessidade de envio de arquivos individuais para cada inscrição.
A comissão organizadora do Prêmio INOVAR 2009  realizará  uma pré-qualificação  de todas as propostas inscritas, com caráter eliminatório. Nesta etapa, serão verificados o envio correto do arquivo e as respostas completas a todas as perguntas do questionário de inscrição, bem como o atendimento às condições de participação.
As propostas pré-qualificadas serão avaliadas nos dias 25 e 26 de novembro por uma comissão julgadora composta por dois representantes da FINEP, um representante de cada um dos Investidores Parceiros Inovar, um representante do Jornal Valor Econômico e dois representantes externos convidados, com ampla experiência na indústria de venture capital e private equity.
A cerimônia de lançamento foi encerrada com a participação do violonista Turíbio Santos, que executou canções clássicas e populares.

outubro 5, 2009 Posted by | Dicas, Dinheiro, Editais, Eventos, Financiamento | Deixe um comentário

Lançado hoje em Curitiba o Prêmio Finep para Região Sul


fonte: FINEP

O Prêmio FINEP de Inovação na região Sul será foi lançado na quinta-feira, 15 de maio hoje, em Curitiba (PR), com um fórum aberto ao público. O evento acontecerá acontece na sede do CIETEP (Centro Integrado dos Empresários e Trabalhadores das Indústrias do Paraná) e tem a FIEPR (Federação das Indústrias do Estado do Paraná) como parceira na organização.

O fórum contará conta com palestras sobre o financiamento à inovação no Brasil, os instrumentos de investimento da FINEP e capital de risco, além da apresentação de um caso de sucesso. As apresentações serão transmitidas via satélite para todas as unidades do Sistema FIEP.

Após o lançamento nacional em 29 de abril, no Rio de Janeiro, este será o terceiro lançamento regional do Prêmio: o primeiro, na região Nordeste, aconteceu em Fortaleza (CE), no dia 6 de maio, e o segundo, em Belo Horizonte (MG), no dia 7. As últimas etapas dos lançamentos regionais estão previstas para a região Norte, em Belém (PA), no dia 19 de maio, e na região Centro-Oeste, em Goiânia (GO), em 3 de junho.

A 11ª edição do Prêmio FINEP de Inovação traz várias mudanças. Agora, além do troféu, os vencedores poderão receber financiamentos da FINEP para a implementação de projetos de inovação, que variam de R$ 500 mil a R$ 10 milhões. O regulamento também foi alterado. Foram extintas as categorias Produto e Processo. O Prêmio FINEP passa a privilegiar, como um todo, o perfil inovador de empresas e instituições de ciência e tecnologia, portanto as quatro categorias abertas a todos agora são: Micro/Pequena Empresa, Média Empresa, Instituição de Ciência & Tecnologia e Tecnologia Social.

Além disso, há duas categorias especiais: Grande Empresa – Casos de Sucesso em Inovação, disputada apenas por empresas já financiadas pela FINEP, e Inventor Inovador, indicado por comissão especial coordenada pelo INPI.

Os interessados em participar do fórum em Curitiba devem se inscrever na página da FIEPR. Mais informações no telefone (41) 3271-9424 (Matheus). As instituições que quiserem concorrer ao Prêmio FINEP de Inovação devem ler o regulamento e se cadastrar no site do Prêmio. As inscrições vão até 28 de agosto.

Serviço:

Fórum FINEP de Inovação – Sul

Data: 15 de maio de 2008
Local: Auditório Caio Amaral Gruber – CIETEP – Avenida Comendador Franco, 1341 – Jardim Botânico – Curitiba (PR)

Programação:

14h30: Abertura

14h50: Apresentação “Perspectivas da Inovação no País”
Palestrante: Fernando Ribeiro, diretor de Administração e Finanças da FINEP

15h30: Apresentação “A Área de Investimentos da FINEP”
Palestrante: Patrícia Freitas, superintendente da Área de Investimentos da FINEP

16h15: Coffee break

16h25: Apresentação “Aqui tem FINEP – Paraná”
Palestrante: Paulo Resende, coordenador regional Sul do Prêmio FINEP de Inovação

16h55: Apresentação “Angelus, Um Caso de Sucesso Paranaense”
Palestrante: Roberto Alcântara, presidente da Angelus Produtos Odontológicos, empresa vencedora regional na categoria Grande Empresa e menção honrosa na etapa nacional do Prêmio FINEP 2007

17h40: Apresentação: “O Capital de Risco no País”
Palestrante: Luiz Eugênio Figueiredo, presidente da Associação Brasileira de Private Equity & Venture Capital (ABVCAP)

18h30: Encerramento do Fórum e Lançamento do Prêmio FINEP Região Sul

maio 15, 2008 Posted by | Dicas, Dinheiro, Editais, Eventos, Financiamento, Investimento, Projetos | Deixe um comentário

Google oferece $10 milhões de dolares para aplicações Android


fonte: bestlinux

O Google está “inspirando” programadores para desenvolver aplicações inovadoras para o seu novo sistema operacional móvel, o Android. O Android foi anunciado na semana passada, junto com a criação de uma nova aliança, chamada de Open Handset Alliance.

money_thumb

Esta aliança irá trabalhar em conjunto para desenvolver o sistema operacional Android, que de acordo com o Google, espera colocar o novo sistema nos celulares no segundo semestre de 2008.
 
Já esta disponível para download no “site” do Google, um “kit programador” (SDK).
 
Para ajudar a incentivar o desenvolvimento de aplicações para seu novo sistema operacional, o Google está procurando distribuir cerca de $10 milhões de dólares no concurso Android Developer Challenge.
 
Haverá dois tipos de desafios no qual vai oferecer $5 milhões de dólares em prémios em dinheiro oferecido para cada um dos desafios.
 
O “Challenge” vai aceitar “projetos” entre 2 ª de Janeiro e 3 de março.
 
Fonte: Geek.com

novembro 14, 2007 Posted by | Dicas, Dinheiro, Financiamento, Notícias | Deixe um comentário

Governo vai aplicar R$ 677 mi para melhorar capacidade tecnológica de MPEs


fonte: webAula

Governo vai aplicar R$ 677 mi para melhorar capacidade tecnológica de MPEs

A idéia, segundo o ministério, é criar uma rede com no mínimo dez instituições, em 15 estados, até dezembro de 2008.

Uma das ações do Plano de Ciência e Tecnologia 2007-2010, que está sendo fechado pelo governo, é a criação do Sistema Brasileiro de Tecnologia (Sibratec) que visa, entre outros objetivos, aumentar a capacidade tecnológica das micro e pequenas empresas. O plano foi discutido nessa quarta-feira (3/10) pelo presidente Luiz Inácio Lula da Silva e o Conselho Nacional de Ciência e Tecnologia, composto por ministros, empresários e cientistas. Lula quer lançar oficialmente o plano ainda neste mês.

O sistema será coordenado pelo Ministério da Ciência e Tecnologia, mas atuará em conjunto com centros universitários para a prestação de serviços e consultorias técnicas ao setor produtivo. A idéia, segundo o ministério, é criar uma rede com no mínimo dez instituições, em 15 estados, até dezembro de 2008. Os investimentos previstos até 2010 somam R$ 677 milhões.

O novo sistema também terá bolsas de mestrado, doutorado e iniciação científica do Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq) sobre desenvolvimento tecnológico industrial, além do Programa Nacional de Qualificação e Modernização dos Institutos de Pesquisa Tecnológica (IPTs), para que os órgãos acompanhem as necessidades e tendências das indústrias.

O plano prevê ainda, conforme o MCT, aumentar o número de bolsas de pós-graduação, especialmente nos cursos de engenharia, área com deficiência de pesquisadores, e de iniciação científica entre alunos do ensino médio.

Outras ações são estimular a entrada de pesquisadores nas empresas para a realização de teses e incentivar os empresários a criar estruturas internas de desenvolvimento tecnológico. A alternativa, de acordo com o ministério, é reduzir o valor pago pelo CNPq na bolsa de estudo do pesquisador e aumentar a contribuição financeira da empresa que, para isso, poderá ter benefício fiscal.

O CNPq e a Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (Capes), ligada ao Ministério da Educação, deverão ainda criar programa de pós-doutorado para garantir a permanência de especialistas no país, principalmente nas regiões menos desenvolvidas.

outubro 9, 2007 Posted by | Financiamento, Investimento, Notícias | Deixe um comentário

BNDES vai reduzir juros do Programa Inovação PD&I


fonte:  ANPEI

O Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) reduzirá de 6% para 4,5% a taxa de juros cobrada das empresas que buscam recursos na linha voltada para projetos de inovação. Segundo Helena Veiga, assessora da diretoria do Banco, a mudança foi motivada pela redução da Taxa de Juros de Longo Prazo (TJLP), que após sucessivas quedas, chegou a 6,5% no fim do ano passado.

Além de juros de 4,5%, o BNDES continuará cobrando também a taxa de risco de crédito, que chega, no máximo, a 1,8% ao ano. Helena diz que o banco ainda não definiu uma data para a redução, mas enfatiza que ela será feita em breve, uma vez que o assunto já está em discussão há algum tempo na entidade.

Essa linha, lançada em fevereiro do ano passado, ainda não deslanchou. O banco tem um orçamento de R$ 1 bilhão para projetos divididos em duas vertentes: a “Inovação P, D & I”, voltada para propostas de inovação radical, ou seja, que propõe novos produtos e processos. E também a “Inovação: produção” para inovações incrementais, que sejam melhoras para processos já em andamento. Até agora, porém, apenas R$ 356 mil foram liberados – 0,35% do total. As aprovações, que indicam que mais dinheiro será liberado, são maiores e chegam a R$ 16,3 milhões, valor ainda muito aquém do potencial da linha anunciada há 15 meses.

O problema não está na oferta, mas sim na demanda pelo dinheiro, já que poucos pedidos de financiamento foram recebidos pelo banco. “As empresas inovadoras têm muita dificuldade para apresentar o projeto. Uma coisa é ela ter uma idéia inovadora. Outra é ver isso como um valor, escrever um projeto e nos mandar para pleitear financiamento”, explica a assessora do BNDES. Segundo ela, as empresas maiores buscam esses empréstimos, mas são poucas as propostas de pequenas e médias.

Com informações do Valor Econômico

junho 27, 2007 Posted by | Dicas, Financiamento, Gerenciamento, Notícias, Projetos | Deixe um comentário

Aprovado incentivo para empresas que investem em pesquisa científica e tecnológica


Aprovado incentivo para empresas que investemem pesquisa científica e tecnológica Quarta-feira, 30 de Maio de 2007, 20h38

O plenário do Senado aprovou nesta quarta-feira (30/5) o projeto de leida Câmara dos Deputados (PLC 124/06), com origem no Executivo, queconcede incentivos fiscais para as empresas que investirem em projetosde pesquisa científica e tecnológica e de inovação tecnológicaexecutado por instituição científica e tecnológica. A proposta alteradispositivos da Lei 11.196/05, originária da chamada MP do Bem. Amatéria foi à sanção do presidente da República.

Deacordo com a proposta, as empresas beneficiadas poderão excluir dolucro líquido – para efeito de apuração do lucro real, que é a base decálculo do Imposto de Renda Pessoa Jurídica – e da base de cálculo daContribuição Social sobre o Lucro Líquido (CSLL) no mínimo a metade eno máximo duas vezes e meia o valor dos investimentos em projetos depesquisa científica e tecnológica e de inovação tecnológica.

Umdos objetivos do projeto é estimular a interação entre as empresas e aschamadas instituições científicas e tecnológicas, que são os órgãos ouas entidades da administração pública que realizam pesquisas de carátercientífico ou tecnológico, como é o caso de universidades e institutosde pesquisa. São exemplos de instituições científicas e tecnológicas aEmpresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (Embrapa) e a FundaçãoOswaldo Cruz (Fiocruz).

O senador José Sarney (PMDB-AP), durantea votação, disse que considera sua região discriminada, em especial oestado que representa. Ele lamentou que projeto com benefícios para oAmapá não tenha sido votado. Já o senador Arthur Virgílio (PSDB-AM)destacou a importância dos incentivos para o Pólo Industrial de Manaus.O senador Osmar Dias (PDT-PR) lembrou da importância da pesquisa para oavanço do setor de biocombustíveis brasileiro. “Só conquistaremos omercado europeu de biodiesel e o americano de etanol com investimento.É necessária a pesquisa em tecnologia, e este é um bom momento paraaprovarmos um projeto tão importante quanto esse”, disse

O texto aprovado pelo Senado trata ainda da participação da empresa e dainstituição científica e tecnológica na titularidade dos direitos sobrea criação e a propriedade industrial e intelectual gerada por umprojeto de pesquisa.

O projeto teve como relatores os senadoresFlávio Arns (PT-PR), na Comissão de Educação, e Francisco Dornelles(PP-RJ), na Comissão de Assuntos Econômicos.

O senador FlexaRibeiro (PSDB-PA) excluiu emenda de sua autoria que permitiria aos fabricantes de computadores e telefones celulares acumular os benefícios propiciados pela Lei 11.196/05 e pela Lei 11.077/04 (Lei deInformática). O conteúdo da emenda foi contemplado em medida provisória aprovada anteriormente.

Com informações da Agência Senado.Da Redação

junho 5, 2007 Posted by | Dinheiro, Financiamento, Investimento, Notícias, Projetos | 3 Comentários

Sebrae lança edital de R$ 5,4 milhões para incubadoras


Sebrae lança edital de R$ 5,4 milhões para incubadoras Sexta-feira, 01 de Junho de 2007, 17h31

O Sebrae anunciou nesta sexta-feira (1/6) edital para apoio às incubadoras.
Ao todo, a entidade vai liberar R$ 5,4 milhões para até 30 incubadoras brasileiras, que serão qualificadas para desenvolver também o papel de atendimento às micro e pequenas empresas.

O gerente de Acesso à Inovação e Tecnologia do Sebrae Nacional, Paulo Alvim, explica que o edital está inserido na estratégia de revolução do atendimento da instituição. O último edital que o Sebrae lançou voltado para incubadoras foi há três anos. “Mas esse é o primeiro edital que amplia o atendimento das incubadoras. Estamos também aumentando o conjunto de empresas beneficiárias”, diz. Segundo Alvim, com esse apoio, as incubadoras, além de abrigar empresas, prestarão serviço de informação, capacitação e consultoria para micro e pequenos empreendimentos.

No edital, as incubadoras interessadas vão encontrar todas as regras para participar da seleção. A escolha será dividida em duas etapas. Na primeira, os participantes passam por um processo de qualificação no qual devem apresentar propostas. Ao final dessa etapa, cerca de 60 incubadoras serão selecionadas para participar da capacitação e deverão apresentar também uma proposta de trabalho.

Depois dessas etapas, 30 incubadoras serão contempladas com o apoio financeiro, sendo que cerca de 50% delas deverão ter sede nas regiões Norte, Nordeste e Centro-Oeste do país. O apoio será por 18 meses. O edital do Sebrae faz parte de uma parceria com a Associação Nacional de Entidades Promotoras de Empreendimentos Inovadores (Anprotec). A associação é a responsável por mobilizar as incubadoras –– o Brasil conta hoje com cerca de 400 incubadoras.

O edital estará disponível a partir desta sexta-feira no site do Sebrae (www.sebrae.com.br).

junho 5, 2007 Posted by | Dinheiro, Editais, Financiamento, Investimento, Projetos | Deixe um comentário

BRDE já emprestou mais de R$ 1 bilhão


fonte: parana-online

Rosângela Oliveira [31/03/2007]

Foto: Fábio Alexandre

Carlos Marés: banco está chegando à maioridade.

O Banco Regional de Desenvolvimento do Extremo Sul (BRDE) ultrapassou, em 2006, R$ 1 bilhão em operações financeiras contratadas nos Estados do Paraná, Santa Catarina e Rio Grande do Sul. Isso representa um crescimento de 4% sobre o ano anterior. As operações investidas somaram R$ 1,6 bilhão, que reverteram numa arrecadação de R$ 111 milhões de ICMS nos três estados. No Paraná, o BRDE financiou R$ 337 milhões em um total de 3.229 operações de crédito.

Os números foram divulgados ontem na agência Curitiba pelo diretor-presidente do BRDE, Carlos Marés, que avaliou que com esses números o banco atingiu sua maioridade. “Viemos de um processo de quase falência há cinco anos para atingir essa marca histórica de R$ 1 bilhão de financiamentos”, comentou. Marés não quis fazer previsões para 2007, mas admitiu estar otimista com a repetição dos resultados, apostando que se o Programa de Aceleração do Crescimento (PAC) do governo federal realmente atingir seus objetivos, poderá ter reflexo nos financiamentos. “Se houver melhora no parque industrial isso poderá refletir”, falou.

O diretor financeiro do Paraná, Paulo Furiati, destacou que grande parte dos resultados de 2006 foram conquistados através de parcerias com as cooperativas de crédito. “Nós temos apenas uma agência em Curitiba, mas chegamos a diversos municípios usando a estrutura das cooperativas de crédito”, comentou. Neste ano o banco irá trabalhar junto ao governo federal para conseguir a mudança na liberação de recursos do Fundo de Amparo ao Trabalhador (FAT), que hoje chega aos bancos regionais através do BNDES. “A garantia de operação é nossa, então não vemos por que acessar esses recursos apenas através do banco federal”, comentou.

Números

O montante registrado no ano passado representa um crescimento nominal de 133,7% em relação ao total financiado em 2002, de R$ 428 milhões. Com esse desempenho, o BRDE subiu no ranking nacional das instituições credenciadas a operar linhas de crédito do BNDES, passando da 14.ª para a 8.ª posição.

Na modalidade conhecida como BNDES/Automático, voltada preferencialmente para pequenas e médias empresas, o banco regional atingiu a liderança, com R$ 230 milhões desembolsados. Além disso, o BRDE, entre as instituições financeiras sem carteira comercial, está em terceiro lugar, atrás do BNDES e Banco Volkswagen.

O setor que mais buscou crédito foi a agropecuária (R$ 316 milhões), seguida da indústria (R$ 283 milhões), infra-estrutura (207 milhões) e comércio e serviços (R$ 194 milhões). Santa Catarina absorveu 41,7% das liberações, o Rio Grande do Sul 30,2% e o Paraná 28,1%.

abril 2, 2007 Posted by | Dinheiro, Financiamento, Notícias | Deixe um comentário

Seguir

Obtenha todo post novo entregue na sua caixa de entrada.

Junte-se a 101 outros seguidores